4 de agosto de 2011

A busca incessante de amor

"Amor em tempos de pressa" é o título de um artigo que encontrei numa das revistas que estava organizando. Parei para reler e me interessei pelo assunto. O artigo iniciava com a explicação do sociólogo polonês Zigmunt Bauman para o fato de as relações amorosas serem tão instantâneas atualmente. Para ele, autor do livro "Amor líquido", esses relacionamentos acompanham o ritmo de consumo exacerbado que vivemos. Explica o escritor que, do mesmo modo que consumimos objetos e depois os trocamos por outros mais novos, e ainda, levados pela publicidade e a mídia que torna tudo muito mais atraente; também no amor há uma sede de consumo.
Para ele, "pessoas diferentes, namoros, experiências sexuais: todos nós teríamos uma ânsia em provar tudo e, ao mesmo tempo, sentir uma sensação de prisão, quando finalmente estivéssemos com alguém." Sim, pois logo partiríamos para outras conquistas, talvez maiores ou mais emocionantes.
Concordo que vivemos uma época em que tudo se tornou muito efêmero e vivemos com pressa e ansiedade de mais. Luta-se contra o apego. Vive-se em nome de uma felicidade a qualquer custo, como se não houvesse o dia de amanhã.
Segundo o sociólogo, as pessoas têm transferido esses valores para a forma como buscam o amor. "Misturando aos nossos valores, anseios e emoções criamos um mecanismo interno que nos faz buscar a felicidade fora de nós, sem deixar espaço para que ela entre. E com a felicidade o amor."  A psicanalista paulista, e também socióloga, Catherina Voltai concorda e completa: "além de estarmos compulsivamente buscando um amor que mal entendemos e ansiosos por viver um pouco de tudo, passamos a acumular muitas e muitas dores de amor". E com as frustrações mais um mal parece surgir - o medo de amar -, pois as pessoas passam a escolher parceiros pouco interessantes para envolvimentos pouco intensos.
E fico pensando que essas pessoas se entregam a essa busca como solução para todos os seus problemas e deixam-se fazer reféns de amores infelizes e destrutivos por não terem a serenidade necessária para compreender que o maior erro está nessa tentativa de encontrar o outro que o complemente, sem nem mesmo saber se é o que querem realmente, pois, em alguns momentos, o mais importante é o conhecimento de si mesmos, e a compreensão de que é preciso ser feliz independente dos outros, do que é exterior, do que está fora.
Precisamos encontrar felicidade a partir do que somos. O amor precisa acontecer naturalmente, precisa desabrochar, florescer. "Se conseguirmos ser felizes por nós mesmos", diz o filósofo Luis Fuganti, "aí sim podemos achar um outro que possa partilhar conosco o amor. Dois seres sem consumir nem depender do outro, mas felizes."  Pois é... E o importante é acreditar sempre que o amor pode surpreender no momento em que menos imaginarmos que precisamos dele.

Rita Ribeiro
*"Amor em tempos de pressa", Alessandro Meiguins, Revista Emoção & Inteligência, Editora Abril

11 comentários:

  1. Infelizmente é isso mesmo que acontece, vivemos correndo de um lado para outro e muitas vezes nem damos a devida atenção àquilo que realmente nos deixa feliz, o amor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que essa busca é tão descontrolada que nem se quer damos conta das pessoas que estão ao nosso lado e nos faz tão feliz ! Pois nem sequer nos vemos ou sabemos que somos !Como saber se o outro é realmente o " nosso amor "

      Excluir
  2. É verdade. No entanto, sempre é tempo de revermos nossas atitudes, não é mesmo?

    =)

    ResponderExcluir
  3. hum, meu primeiro texto aqui, rita. minha primeira leitura. gostei. o texto tem um bom começo, tem referencias. seu trabalho de revisora parece ajudar muito. foi mais ou menos assim tambem, mais precisamente como tradutora, lendo muito coisa (pois era o trabalho dela), que lya luft construiu sua carreira. nossa, que legal, que trabalho bonito o seu. e como rende frutos.
    adriano, do inquilinos do alem...

    ResponderExcluir
  4. Oi, Adriano, que bom ter gostado, eu tenho muitos "achismos" sabe, então posso dar umas derrapadas... Mas tudo que expresso é o que sinto, e sou bastante sincera.
    Comecei o blog com a única pretensão de colocar pra fora o que sentia e criar um pouco em cima do momento que vivia... =)
    Assim que o Blogger liberar meu perfil correto te seguirei.

    Obrigada pelas palavras e pela visita.
    Vi que já me segue. ;)
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Rita, gostei muito do seu texto. Bem propício ao momento atual. Ah! e também gostei do som de sua página (sininho) rsrsr
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Olá, Ilma, obrigada pelas palavras. Fico contente que tenha lhe agradado.
    Seja sempre bem-vinda!

    Abraços! ;)

    ResponderExcluir
  7. Ola Rita achei seu blog la no face ...tb tenho uma pagina fiz recentemente já deixe la rs caso goste...poxa achei muito lindo vc é "poetaaaa" rs

    tb tenho dois blog qdo puder siga, visite fique a vontade!

    Bom final de Semana

    http://petalasdelis.blogspot.com/
    http://reina-em-mim.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Lis... Obrigada pelas palavras. Fico feliz que tenha gostado.
    Seja sempre bem-vinda por aqui e nos outros blogs também.

    Lá do face, eu entrei em vários blogs, mas vou visitar o seu com calma, ok? Aguarde-me.

    Beijos e bom fim de semana pra você também!

    ResponderExcluir
  9. Rita, as pessoas saem dos relacionamentos e no outro dia já estão loucas para entrar em outro, sem refletir, sem dar tempo para si mesmas e como sempre acabam descartando gente. Eu penso que a pessoa deve estar sempre bem com ela mesma e observar a chegada do amor que tem formas diferenciadas. Ele aparece, com toda certeza, sem estresse, calmamente. O não! rs

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Sonia, uma amor que surge naturalmente tem muito mais chances de ser feliz. Acredito muito nisso.

      Grata pelas palavras!
      Beijos! :)

      Excluir

E você, o que pensa a respeito? Comente!

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...