Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2008

O abraço que você me deu... e ficou!

"Morro de saudades de você Morro de vontade-desejo Pôr do sol nos olhos-imagens Filme colorido na cabeça..." (Gal Costa) Saudades que nos deixam felizes existem? Ah! Existem. E sempre deveriam ser assim. Mas depende de como tudo acontece. Eu morro de saudades, eu morro de alegria, morro de desejo de ganhar um abraço apertado, aquele que só eu sei como é.  Desejo mútuo, o que é melhor. E de alguém que está tão longe de mim. Mas que, sei, está bem perto. Saudades de quem deixou alegria, deixou esperanças, deixou sua presença significar mudanças. Sentimentos que vão e voltam. E, talvez por ter sentido novamente todas essas alegrias, eu não fique triste ao sentir tantas saudades.  Tudo o que ficou me faz intensamente feliz! E tal sentimento se sobrepõe a qualquer tristeza. Claro, estar longe deixa uma ausência sentida, deixa a vontade de ter alguém muito querido sempre por perto. Mesmo assim, meu coração está feliz.  E ter sido surpreendida hoje foi óti

Quanto você gosta de si mesmo?

Parece uma bobagem, não é? Gostar de si... Claro que gostamos de quem somos e do que construímos até hoje para nossas vidas. Mas será mesmo? De repente dizemos isso, e não é bem aquilo que realmente carregamos dentro de nós como uma verdade.  Mentimos para nós mesmos? Não! Só não sabemos que lá dentro temos algumas vontades e desejos não satisfeitos (é, temos sim!). Fomos sempre criados a fazer o bem para os outros, sermos pessoas boas, sermos solidários, ajudar a todos, agradar os que estão à nossa volta... Sermos milhões de coisas boas e maravilhosas que esperam de nós. E fazemos tudo isso! Mas será que, em alguns momentos, não esquecemos de olhar para dentro de nós e ver se estamos fazendo tudo que desejamos, tudo que sonhamos? Estamos ousando?! Estamos realmente vivendo tudo dessa vida? Sendo "egoístas" um pouquinho, sem medo e sem culpa? É, porque ser generoso é bom e bonito, mas perde o valor se esquecemos destas pessoas legais e importantes para nós: "nó

Rejeição e Culpa [Danuza Leão]

Não é preciso muita coisa para que a gente se sinta rejeitado. A tendência natural é pensar que ninguém gosta da gente, ou pelo menos não tanto quanto se precisa. E disso se precisa muito.  Começando pelo básico: alguém acha que é - ou foi - amado suficientemente pelo pai e pela mãe? Claro que não. E aquele dia em que os dois saíram para jantar fora e ir ao cinema? Você, com cinco anos e resfriado, queria que eles ficassem a seu lado, contando uma história, e dessa noite nunca se esqueceu. É a maior prova de que eles jamais gostaram de você. E quando eles se separaram, a culpa não foi toda sua? E quando o pai, já separado, foi convidado para aquele fim de semana de sonho, e propôs trocar o tal fim de semana que ia passar com o filho; ele se sentiu tão rejeitado e abandonado quanto um menino de rua, e o pai vai passar o fim de semana - e o resto da vida - massacrado pela culpa. As crianças vão para o analista se queixar dos pais, os pais vão para o analista para dizer que fo

Quando vemos o que não víamos

Levantar cedo num dia frio, saber que seria um dia difícil daqueles em que se precisa enfrentar problemas para poder resolver outros. Esse é o início... Muitas blusas, jaqueta, cachecol. Tem um vento frio lá fora...  Enfrentar tudo o que é difícil requer vontade, vontade e mais vontade, aquela que pensamos não ter. Mas temos! Tanto é que, se enfrentamos tudo com confiança no resultado, mesmo esperando algo muito mais difícil, tudo pode se desenhar diferente. Tudo pode até ficar mais fácil que o imaginado.  Alguém passa pelo caminho... Circunstâncias? Talvez. Quem é que entende essas coisas? No meio das pessoas aparece alguém com quem a empatia fala mais forte e mais alto. Falar e ouvir mais revela alguma aproximação nas palavras, ideias e no pensamento. Vontade de quem quer, naturalmente, conhecer mais.  A vida é engraçada! Mas linda e cheia de surpresas. É, a vida tem me mostrado isso. Reclamamos coisas ou reclamamos de muitas coisas. E não vemos o que está próximo de nós

O tempo que chega e passa

Há algum tempo venho observando as mudanças no rosto das atrizes, das apresentadoras, das jornalistas e outras celebridades que aparecem na mídia. Percebo que mulheres (e homens também) estão se preocupando com suas marcas de expressão muito cedo.  E não entendo mesmo o porquê dessa preocupação. Vemos moças ainda tão jovens e belas que aparecem com suas bochechas diferentes, modificadas com botox. Ou aparecem com seus rostos lisos sem marca nenhuma, que até percebemos ficarem estranhos.  Fico pensando que as pessoas deveriam estar mudando no sentido de saber aceitar o tempo, aceitar as marcas da idade, aceitar com naturalidade a maturidade. Como estarão essas jovens, que hoje são jovens, mas amanhã não mais? Ainda modificando seus rostos e barrigas e mãos e tudo mais que for possível?  Além da preocupação com as mudanças da moda, das roupas e acessórios que vão se reciclando com as estações, serão as mudanças no corpo e no rosto um impositivo da moda também? Será que já viv

Luz e Beleza

Nunca digas que és infeliz!  A vida te presenteia constantemente com mensagens de beleza, luz e cor que somente a sensibilidade pode fazer-te compreender.  A luz do sol, cortando as folhas das árvores feito cortina dourada, pela qual passas e sentes na pele o carinho, traz também remédio que te cura e te aquece, banha-te a pele e inebria-te a alma.  O céu azul que te envolve, que ilumina e colore o dia, traz paz a ti e a todos os outros seres.  O verde das árvores acolhe os pássaros, borboletas e todo o gênero de beleza que te enche os olhos, mostrando-te que não estás só, mas és parte importante deste todo em que vives, este todo do qual podes beber da fonte de alegrias e das mais altas vibrações que a alma alimenta.  Não veja somente, olhe, e perceba sempre que, em tudo que te rodeia existe uma Luz Maior que a tudo envolve e enche de beleza para que tu sintas que, se fazes parte deste Todo, és cheio de Luz e Beleza, e nunca estás sozinho.  Acredites sempre nisto e