2 de junho de 2009

Você é capaz de escutar-se?


"Nós nos fazemos por meio da palavra, e, no entanto, a consciência disso é insuficiente. E poucos são capazes de escutar-se, e essa incapacidade é a maior razão do conflito entre as pessoas e os povos."

(Betty Milan)


Sempre achei a palavra algo mágico carregado de possibilidades que nós falantes imprimimos a ela. Com ela nos conhecemos e conhecemos o outro, sabemos do mundo, vivemos e, sem ela vamos perdendo, sofrendo, morrendo aos poucos. Saber usar bem a palavra é imprimir-lhe o que há de construtivo e verdadeiro de forma a levar alegria e benefício aos que a escutam. 
No entanto, ela pode ser destrutiva e cruel. Seres falantes que somos, expressamo-nos, lançando ao redor tudo aquilo que carregamos dentro de nós: alegramos quem nos ouve, criamos sentimentos de amizade, amor e respeito, mas também excluímos, machucamos, podemos até prejudicar. Enfim, a palavra serve de fio condutor. Nós nos ligamos às pessoas através dela. Pronunciamos a palavra que une e felicita, e também a que desune e machuca. 
Sempre percebi o quanto podemos ser cruéis se quisermos realmente marcar alguém. Um tapa dói menos que a palavra que cala e dificilmente é esquecida. Isso é certo! A psicanalista Betty Milan*, em sua coluna da Revista Veja desta semana, fala disso. Será que podemos dizer tudo o que passa por nossas mentes? Muitas pessoas o fazem em nome da franqueza. Até onde podemos ser francos? Até onde não passamos a magoar? Na verdade, falamos aquilo que, antes, sentimos. Sim, pois o problema está exatamente nos sentimentos imperfeitos que verbalizamos. 
Este é um dos motivos que levam muitos relacionamentos familiares ou amorosos, de amizade ou de trabalho a se desfazerem. Precisaríamos ouvir mais vezes nossas próprias palavras para sabermos por que as deixamos escapar pela boca, ferindo. Colocarmo-nos no lugar de quem ouve duras palavras já nos dá a medida do sentimento que provocamos. 
Escutarmos a nossa consciência é nos conhecermos melhor a fim de mudar e de nos educar para que, com as palavras, não culpemos o outro do que somos ou do que nos tornamos. 
A palavra deve levar em suas entrelinhas amizade, carinho, ajuda, amor, paz e aconchego. Deve ser o elo que une e constrói. "Para encantar, é preciso correr o risco de decepcionar. Para ser aprovado, é preciso expor-se à desaprovação. Portanto é imperativo falar", diz a escritora. 
E assim sendo, somente uma boa reflexão nos indicará como anda o nosso falar, se ele tem agregado e felicitado ou se tem, invariavelmente, excluído e destruído pessoas e relacionamentos. Essa nossa escolha, sobre o uso que fazemos da palavra, reflete aquilo que somos, sentimos e desejamos, bem como o grau de responsabilidade que desenvolvemos no trato com o outro e nós mesmos.

Rita Ribeiro
[Sob Licença Creative Commons - Leia e respeite os direitos autorais]

*Betty Milan, psicanalista e escritora, assina coluna na Revista Veja e no site Veja.com

2 comentários:

  1. Pois é Rita, da mesma boca que sai palavras motivadoras, também podem sair aquelas que machucam mais que uma espada cravada no peito. Se a gente pensasse mais antes de falar, muita mágoa e tristeza seria evitada.ótima reflexão!
    Bjoks

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do artigo dela, Debby, porque vi nesse "escutar nossas palavras" uma metáfora para uma reflexão de nossos sentimentos, que é o que que nos motiva a fazermos o que fazemos, desde um sorriso carinhoso até o dedo em riste!
    Difícil, hem? Há quem faça muito isso, assim como há quem faça pouco. Mas todos fazemos ainda.

    Beijo, linda!

    Adoro seus coments, viu?! ;**

    ResponderExcluir

E você, o que pensa a respeito? Comente!

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...