11 de junho de 2009

Rupturas necessárias


"Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge

Que isso tudo é normal 
Eu finjo ter paciência..."

(Lenine)

Quando ouço a palavra ruptura, me vem sempre a ideia de algo ruim, que se finda, que deixa tristeza. Talvez, porque eu pense que laços, sejam quais forem, devem ser duradouros, felizes, capazes de resistir ao tempo.
Seria isso o certo? Mas o que é certo ou errado, afinal? Em nome da educação e para sermos pessoas agradáveis, muitas vezes, ouvimos o que não gostamos de ouvir, ficamos quietos para não brigar, aceitamos palpites, ouvimos julgamentos, relevamos críticas e calamos para não ferir sentimentos. 
Enfim, existem inúmeras situações em que preferimos nos calar para que nossas palavras de insatisfação não deixem a situação pior do que já se apresenta. Mas por que agimos assim? Por que imaginamos que calar é melhor? Como pode ser melhor se não aceitei, se não gostei, se não quero ouvir o que me desagrada e me entristece? 
Em nome da educação, muitas vezes deixamos que nossa vontade contrariada fique lá guardada em algum canto, dentro de nós, até o ponto de não mais aguentarmos. E num momento de pressão, em que não mais conseguimos pensar direito, falamos tudo aquilo que vínhamos guardando por dias, meses ou anos até, feito uma bomba a estourar. Aí, é tarde demais... 
Conversando com um amigo sobre o assunto, ele me disse que não adianta sermos essa pessoa boa e educada e aceitar tudo em detrimento de nossas reais vontades. Se não há como resolver dialogando e nem há como fazer o outro entender e respeitar o que se é ou o que se pensa, as rupturas são necessárias, pois a convivência deixa de ser sadia para as pessoas e para os relacionamentos. 
Romper com determinadas situações não é fim, pode ser um começo, uma mudança que implica em atitudes novas e um novo modo de ver a vida e a si mesmo. 
Mudar posturas e até velhos pensamentos é um crescimento, é aprendizado e, acima de tudo, é respeitar a si mesmo na busca pela satisfação dos prórpios desejos e, consequentemente, na busca de nossa felicidade.

9 comentários:

  1. É preciso muita calma para lidar com essas situações e enfrentar as rupturas, mas concordo com você que elas são necessárias, e às vezes até contribuem para uma melhor conformação das coisas.

    ResponderExcluir
  2. O importante é não nos acomodarmos nem termos medo de tomar atitudes que sejam mais benéficas para nossas vidas.

    Obrigada pela visita,Caceres!
    ;*

    ResponderExcluir
  3. Eu sou do tipo de pessoa que rumina assuntos, e ao mesmo tempo em que me afligia um questionamento de uma amiga (sobre que solução dar para dois processos de execução que tiveram origem em títulos judiciais originados de demandas idênticas: se extinção de ofício do mais recente por coisa julgada anterior ou somente por rescisória da parte prejudicada) estava pensando no seu “rupturas necessárias”. Veja só que loucura.

    Relacionar-se com outras pessoas é muito complicado. Principalmente quando você é do tipo de pessoa que enfrenta as rupturas necessárias. E aí, é melhor enfrentá-las [as rupturas necessárias] nos relacionamentos que se escolhe, e deixar todos os outros “de molho”. E com as pessoas não selecionadas é tudo artificialidade, sorrisos, e um quase sempre “não” suave. Aquele “não” maquiado por um talvez que nunca será decidido.

    Pensei também em outros assuntos relacionados com isso. Fico por aqui porque tenho outros assuntos para ruminar. Obrigado por ajudar a alimentar minha alma. Não poderia deixar de agradecer.

    ResponderExcluir
  4. Que loucura mesmo!

    A ruptura se faz necessária para que sejamos felizes, para que determinadas situações não nos incomodem e não nos façam mal. O que interessa, aqui, é nossa FELICIDADE.

    Com que (ou quem) conseguimos romper ou não, só cada um de nós poderá saber.

    Não agradeça, pois eu é que fico feliz por saber que posso compartilhar algo que, pensei, fosse tão meu.

    Fique sempre à vontade para dizer o que quiser.
    Abraços!
    =]

    ResponderExcluir
  5. Curioso, Rita. Recentemente, andei rascunhando algo a respeito de ruptura, mas acabei "rompendo" com a ideia...

    No que diz respeito a relações - e principalmente envolvendo os exemplos que você descreveu - já rompi INÚMERAS vezes. Ontem mesmo eu rompi!

    Em alguns casos, reatei os vínculos. Mas na maioria deles, o rompimento foi definitivo e acabou se mostrando algo redentor, libertador, que me fez sentir bem melhor, embora apenas a médio e longo prazo.

    Você tem razão: muitas vezes é preciso romper - e não se lamentar por isso.

    ResponderExcluir
  6. O importante, Davi, é que o rompimento seja redentor, libertador, como você diz, nem que seja com simples ideias ou paradigmas que nada mais adicionam a nossas vidas.

    Obrigada pela visita, gostei! =]

    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Rupturas são dolorosas? São, sempre! Mas como tudo em nossas vidas é transformação constante a ruptura nos abre um leque de novas possibilidades, novos caminhos a serem trilhados, e cabendo a nós a aceitação dessa condição e o desfrutar dos novos horizontes.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. É isso, mesmo. Desfrutar de novos horizontes...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Ontem, coincidentemente, ouvi uma mulher, em entrevista na TV, falar sobre esse assunto. Dizia ela que as pessoas só não veem as rupturas com naturalidade, porque têm medo da perda, aliás, qualquer tipo de perda.
    Existem pessoas que se agarram a situações que só fazem mal a elas só por medo do desconhecido.

    ResponderExcluir

E você, o que pensa a respeito? Comente!

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...